Por que respirar devagar é tão tranquilizante? Entenda o que acontece no cérebro

EVELEEN/SHUTTERSTOCK

Respirar devagar realmente é capaz de acalmar o cérebro.

De acordo com um estudo realizado pela Universidade da Califórnia, EUA, e publicado pela revista Science, respirar com calma promove tranquilidade porque existe no cérebro um grupo de neurônios que responde à respiração e envia ao órgão sinais que regulam estados de grande excitação.

Respiração lenta realmente ajuda a acalmar

A conclusão foi obtida através da análise de atuação de 175 neurônios de camundongos, ligados a uma região do cérebro que controla a calma e a agitação. O grupo de neurônios localizado no tronco encefálico tem a capacidade de regular o ritmo respiratório em mamíferos e se comunicar com o cérebro para provocar estados de calma ou excitação, respondendo a diferentes tipos de respiração.

Para o trabalho científico, os pesquisadores identificaram dois marcadores genéticos ativos no grupo de neurônios e pareciam ter relação com o ato de respirar. Em seguida, o cérebro das cobaias foi modificado para que eles ficassem sem os neurônios com os marcadores.

Os cientistas observaram, após alguns dias, que os camundongos sem os neurônios com os marcadores estavam muito mais tranquilos do que os outros e ainda apresentavam alterações na respiração. Mesmo diante de situações estressantes, que normalmente provocariam alterações na respiração, os roedores agiam de forma calma.

Foi possível concluir que, além de ter ação reguladora na respiração, o complexo de neurônios também reage ao ritmo respiratório, enviando ao cérebro informações que regulan humor e estados emocionais.

Os pesquisadores esperam que a descoberta ajude em terapias para tratar estresse, ansiedade, depressão e outras emoções negativas, além de contribuir para a compreensão de como a meditação e a ioga, com suas técnicas de respiração, podem garantir sensação de calma e tranquilidade.

Fonte: Vix.com
Obs: As informações acima são de total responsabilidade da Fonte declarada. Não foram produzidas pelo Instituto Pinheiro, e estão publicadas apenas para o conhecimento do público. Não nos responsabilizamos pelo mau uso das informações aqui contidas.